Biografia da Autora

Camila Passatuto nasceu em 1988, na cidade de São Paulo. Autora do livro "TW: Para ler com a cabeça entre o poste e a calçada" (Editora Penalux, 2017). Escreve desde os 11 anos e começou atuar nos meios digitais, com blogs e participações em revistas digitais, em 2007. Alguns trabalhos e participações: 2010, e-book “Apenas o Necessário”, co-autora da Antologia de micro contos reunidos pela Poesis, em parceria com a ETC Bienal, Fundação Volkswagen e Governo do Estado de São Paulo; 2012, Antologia “Nossa história, nossos autores (Editora Scortecci); 2013, escritora exposta na mostra de Twiteratura no Sesc Santo Amaro.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

La Paix II

As peles estão caindo e os meninos choram tanto.
Tem papel valioso no linho de seus pés, tem sim.
Tem comida de sobra nos olhos de quem tem fome.
A dor não é culpa minha, não é sua, de quem é?

Os calos estão sangrando e você sorri com a faixa,
Existe uma dúvida no frio lamentar de cada homem.
Existe uma desapropriação de sentimentos, alterna.
Os discursos vão ficando vazios, morrendo, morrendo...

E minha boca vai ser calada com grampos de ouro,
Seu sonho desfeito com sinceridade de outro povo.
Seu poder sangrando e você sorri, morrendo, morrendo...
E meu sangue vai correr mais puro, mais liberto, puro...

As peles estão caindo e os meninos choram tanto, Veja.
Tem comida de sobra nos olhos de quem tem fome, Veja.
Existe uma dúvida. Frio lamentar de cada homem, Veja.
E no fim nosso sangue vai correr mais puro e mais liberto (...)

E no final não irá existir quem você altera,
Apenas a verdade do que é.
E no final a dor vai ser culpa minha...
A sua dor, Veja...

By Camila Passatuto

16 comentários:

Celma Araújo disse...

Uau que texto lindo...criativo
adorei msm!!!
Futuro brilhante como escritora e publicitária,
parabéns, bjs

carolina disse...

lindo!

Carolina disse...

Muito interessante!

Inez disse...

Nossa nmenina seu texto me emocionou, é muito profundo, trata de forma poética uma dor que só é sentida de fato por quem passa por ela.

FabioZen disse...

Que bela surpresa,Camila.Poemas de alto questionamento interior e não as churumelas de sempre.Gostei e parabens,guria!

Espia o meu, tem até canibalismo!
http://oficinamissoes.blogspot.com/

Joao Carlos disse...

"apenas a verdade do que é"
bem niezscheano isso.. BOA GAROTA!

. Yuri Barichivich disse...

FIcou bem legal companheira comunicóloga.

Verball
Siga-nos no @BlogVerbALL

Valentina disse...

Me lembrou uma propaganda recente..
mas é uma boa mensagem.. "Veja"...
^^

Tatiana disse...

Muito sensível sua visão.. com poesia ficou ainda mais sublime.
vê a realidade e transformá-la em poesiaa é um dom muito precioso..
parabéns..

SE vc quiser conhecer meu blog, seja bem vinda..

http://coracaoonline.blogspot.com

xerim

♫ Angélica ♥ Kawai ♪ disse...

Nossa...Quase posso ver a cena...
sem palavras....

Leandro Merlllin disse...

Exercício de descrição extremamente competente, se a ideia era impactar, conseguiu uma primazia mesmo. É preciso sensibilidade tanto pra escrever quanto pra entender cada passagem do texto, meus sinceros parabéns e te agradeço por ter me feito ler algo de tão boa qualidade.

Abraços,
e até uma próxima.

palavras ao vento disse...

belas palavras...esta de parabens...

saudeecompanhia disse...

Excelente palavras, aliás você escreve muito bem.

Joyce Kelly disse...

"Existe uma dúvida no frio lamentar de cada homem."
Lamenta-se tanto e pouco se faz. Essa é a dura realidade.
Realidade expressa de forma excelente. Gostei!
Abraço.

http://emsimplespalavras.blogspot.com/

Francorebel disse...

Lindo, interessante e reflexivo... valeu de novo!

Melhor Free disse...

Bom...