Biografia da Autora

Camila Passatuto nasceu em 1988, na cidade de São Paulo. Autora dos livros "Nequice: Lapso na Função Supressora" (Editora Penalux, 2018) e "TW: Para ler com a cabeça entre o poste e a calçada" (Editora Penalux, 2017).

Editora do projeto editorial O Último Leitor Morreu (conheça o projeto e as publicações). Escreve desde os 11 anos e começou a atuar nos meios digitais, com blogs de poesias e participações em diversas revistas e projetos literários, em 2007.

Contato: camila.passatuto@gmail.com


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Verão de 2019

Acho que foi o calor. Ou muito advérbio, sei lá. Você leu minha tatuagem, ligeira entre goles na limonada batizada, e ignorou todo o espaço que abrigava ruínas untuosas na aleatória padaria do antigo Sacomã.
Quarta-feira. Meio-dia. Certeza que foi o calor. Você tirou Rimbaud da bolsa - quem anda com um peso desses em eras infernais? - descontinuou meu reparo à oratória insubordinada, que era empregada no pensamento, nas ideias de poder e destroços, naquele instante.
Aliterou e travou minha atenção. Fazia uns 37 graus e as cores do ambiente transmutavam entre fígado na chapa e moedas de 50 centavos.
Foi o suor. Talvez tua língua a saborear o salgado do buço acalorado, ou o alarme do relógio de pulso que reclamava atenção, pois, ai de nós, a vida que se interrompia, por descuido da ordem industrial de telhas a constatar o progresso de cidade, em seu umbigo cinza, a nosso favor.
E teus olhos anunciavam despautérios, notícias falsas, filmes velhos e trens lotados de inocências. E eu gostava das mensagens silenciadas pelo futuro não executado de um "oi".
Matem as vírgulas!
Vestia um vermelho desbotado e roubava a admiração do que é bellus. E o mundo deixou de respirar, guerras explodiram as cabeças do poder, a lama secou, Pompéia furtou de nós qualquer ideal, as crianças foram enterradas nuas e os jornais riram do meu susto coagido.
Acho que foi o calor. Quem mais diria?
As pessoas nas ruas continuaram tristes, os cães atropelados de propósito e nenhuma luta dignou seu fim. O desajeito matou mais dos nossos e a poesia não matinou uma esperança sequer.
No entanto. Meio-dia. Sacomã.
Levanto. Beijo tua boca de menina desconhecida. E vida segue sem juízo, quente, refém dos filhos de ódio e molestada desde o rebentar de mulher.

Entretanto,

Com gosto de moça na boca -
dizimada de pele e sangue -
saio ensolarada
da padaria.

Pão de Queijo R$ 4,50
e nada de poesia,

General.

Nenhum comentário: