Biografia da Autora

Camila Passatuto nasceu em 1988, na cidade de São Paulo. Autora do livro "TW: Para ler com a cabeça entre o poste e a calçada" (Editora Penalux, 2017). Escreve desde os 11 anos e começou atuar nos meios digitais, com blogs e participações em revistas digitais, em 2007. Alguns trabalhos e participações: 2010, e-book “Apenas o Necessário”, co-autora da Antologia de micro contos reunidos pela Poesis, em parceria com a ETC Bienal, Fundação Volkswagen e Governo do Estado de São Paulo; 2012, Antologia “Nossa história, nossos autores (Editora Scortecci); 2013, escritora exposta na mostra de Twiteratura no Sesc Santo Amaro.

domingo, 15 de maio de 2011

Passagem

Se perguntarem..., eu passei por aqui só por curiosidade, quis saber o que de mais bonito havia no mundo e sem perceber encontrei Poesia. Encantei-me em versar, estudei suas curvas e sálivas; não sei se cheguei a ser poeta. 
Mas uma coisa lhe digo, meu amigo, se perguntarem diga que fui feliz por cada letra que contornei... e se alguma vez me viram com lágrimas; essas... com poesia, curei. 


By Camila Passatuto

5 comentários:

JasonJr. disse...

:D

Fabi Anselmo disse...

uau!
poesia que fere
poesia que cura
lindo!

Raquel Amarante disse...

Gostei daki Camila!
BJO

Emoções disse...

Poetas, homens da arte em geral.
Foram e sempre serão como uma ponte
Entre o imaginário antigo e o real presente.
Como bons feiticeiros trazem
Ás almas insatisfeitas como que uma porção mágica
Que causa um breve delírio voluptuoso
Um extasiar fugaz, que alivia os ais,
Dos inconformados com a realidade contemporânea.
Todavia seu ungüento não dura mais que alguns instantes
Seu efeito curador se converte em um maior pesar
Maior que a dor atroz do passado.
Portanto, dou um conselho aos amantes das belas artes.
Não dêem ouvidos aos artistas do presente
Sejam vocês mesmos uma ponte e o viajante
Para ir ao mundo da pura arte...
Vão ao encontro do elixir da eterna melancolia
Na fonte, na sua origem, onde jorra com perfeição,
Tanto o bem, quanto o mal dos seus sublimes criadores.

Lívia disse...

Uau, poeta.