Biografia da Autora

Camila Passatuto nasceu em 1988, na cidade de São Paulo. Autora do livro "TW: Para ler com a cabeça entre o poste e a calçada" (Editora Penalux, 2017). Escreve desde os 11 anos e começou atuar nos meios digitais, com blogs e participações em revistas digitais, em 2007. Alguns trabalhos e participações: 2010, e-book “Apenas o Necessário”, co-autora da Antologia de micro contos reunidos pela Poesis, em parceria com a ETC Bienal, Fundação Volkswagen e Governo do Estado de São Paulo; 2012, Antologia “Nossa história, nossos autores (Editora Scortecci); 2013, escritora exposta na mostra de Twiteratura no Sesc Santo Amaro.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Jaz (Corpo Poético)

Ferida exposta.
O que jaz,
O que traz,
O que o corpo ainda suporta.

Adentrando fria
Cada centímetro
De dor, rancor,
De palavra na derme, escrita.

Verso neófito.
Verme,
Verte em nós
Arte livre em necrópole.

O que jaz,
Poeta,
É o que traz... Em ti...
Ferida, assim, imposta...

By Camila Passatuto

domingo, 13 de junho de 2010

Haicai Noturno

Sou madrugada,
mas estou noite.
Loucamente estrelada...
Que a lua me açoite.

By Camila Passatuto e Evandro Gomes

sábado, 12 de junho de 2010

Pedido

Não
Ninguém está aqui para escrever o que parece estar escrito.

Não estou aqui
Se pareço presente é para talvez ser eterna n’algum tempo.

Não escrevo
Tudo o que se diz palavra é fundo sentimento.

Não pense errado
Não me digo em canções, não me afirmo em sonetos... Nem nada.

Não maltrate, nem beba veneno
Leia e perceba qual encanto nutre seus olhos, depois apareça, me conte.

Não ligue para os primeiros versos
Sempre a segunda linha que mira tua alma é fagueira, sorrateira... Envolve-te.

E Ninguém está aqui para escrever.
Escrita é uma coisa,
O que faço é outra.
Permito que seja efêmero o que digo.
Se te pertence,
Canta.
Leva contigo,
Mas cante para sempre.
Caso contrário
Mata o que inspiro.

By Camila Passatuto

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Vale do Diabo

De meias palavras, de palavras inteiras, de silêncio repleto de dizeres. Assim segue o poeta, doente de sentimento, pelas ruas úmidas da capital paulista.
Onde surge poesia.
É cada passo adiante, um olhar focado por ali mais distante, não repara... É reparado, moldado e enfeitado de acasos.
Segue o poeta. Passarelas e teatros municipais ilustram a pintura cinzenta que oferece a quem vê, a quem lê... A quem sabe poesia, a quem vive por entre espíritos rodantes e moradores do vale do diabo.
Poeta Anhangabaú, triste de nascença. Sorri com olhar quebrado, tem medo do escuro, porem navega no breu das entrelinhas.
Sabe-se. Duvida-se. Pergunta-se. Mente-se.
De meias palavras. Inteiras mulheres. Repleto de espírito.
Move-se inconstante por simplicidade depressiva, alegria efusiva, amores singulares, amor de vida, amor de morte... Poeta Anhangabaú, senta nas escadarias da Praça Ramos de Azevedo, sem papel, sem escrita e faz da solidão e do mistério a mais sensata poesia. Para os transeuntes, para os negros felinos, para os leprosos e meninos.
Mais (r) adiante. A galeria.
De quantas melodias se compõe uma vida, sua dissonante vontade exige passos tímidos por entre jovens coloridos.
Rolante. Escadas. Guitarras.
Poeta distraído faz um verso sem querer entre as pernas da garota. Saia justa, texto amplo e sua mocidade não tradicional o expulsa do fatídico local.
É na rua. Poeta procura a musa. Tão distante. Inferno de Dante.
Rua úmida. Capital escura.
Poeta Anhangabaú, sozinho, doentio, vestido de palavras... Nu de razão.
Poeta Anhangabaú. Seu. De meias palavras, de palavra nenhuma, de verbo deslocado e do sempre vale do diabo.

By Camila Passatuto

domingo, 6 de junho de 2010

Poeminha Feio

Vou ser simples em meus versos,

Vou ser o que estou... Verso triste.

Um pedaço de saudade, verso livre.

Um imenso de amor, verso, verso...


Tanta coisa para falar,

Mas quer silêncio.

Sou de som,

Sou de falar quando estou triste.


E o verso fica descabido no poema

Fica feio

Fica como estou

Jogado e assustado.


Não tem rima, não.

É simplicidade de poema.

Não tem forma.

É conteúdo triste de poeta.


Ah! Eu devo gritar por você,

Pedir aos deuses algum licor.

Clamar o quê? Nada mais de dor?

Fica feio...


Vou caminhando em versos simples

Sem métrica

Sem nada de pensar

É só sentimento... É amar.


Fica feio,

Devo por arreio nisso tudo.

Mas talvez depois...

Quando isso em mim se for.


E se o verso fica descabido,

O que cabe a mim?

Digo que sofro?

Mas fica feio...


Chama poeta de chorador

Inventor de palavras

Dramático velho

Desajeitado sonhador.


E assim vou

Triste, desbravador e assumido

E assim fico

Feio, meio ao meio... Esperando abrigo.



By Camila Passatuto

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Musa

Tu és fraca demais para os meus sentimentos febris. Virgem demais para meus desejos avançados. Linda demais para minha dor ofegante, para esse peito roído, para essa vida poeta que levo em negros rios. São olhos, menina. São olhos de quem sangra, são esses que te olham, te vigiam, te condenam por despertar anseio, desejo, tudo isso que me faz esconderijo de liberdade, de sentimento seu. Vem e pega. Arranha o poeta, se tem medo, vai e come meu desespero.
Tu és forte demais para minhas palavras, onde te coloco, quebra um verso e liberta um sentimento. Por que faz isso? Por que és em minha vida o que demais amo, o que demais tenho fé, por que é em mim o que demais reluz, o que demais vive...?
E pelas ruas quem me vê sabe que tu és o que demais me move, o que demais foge... Entre meus passos... E tu és caminho demais que se encontra com minha estrada de terra... Tu és o que digo e o que calo. Tu és poesia e quando quero és apenas o que quero.

By Camila Passatuto