Biografia da Autora

Camila Passatuto nasceu em 1988, na cidade de São Paulo. Autora do livro "TW: Para ler com a cabeça entre o poste e a calçada" (Editora Penalux, 2017). Escreve desde os 11 anos e começou atuar nos meios digitais, com blogs e participações em revistas digitais, em 2007. Alguns trabalhos e participações: 2010, e-book “Apenas o Necessário”, co-autora da Antologia de micro contos reunidos pela Poesis, em parceria com a ETC Bienal, Fundação Volkswagen e Governo do Estado de São Paulo; 2012, Antologia “Nossa história, nossos autores (Editora Scortecci); 2013, escritora exposta na mostra de Twiteratura no Sesc Santo Amaro.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Hora de Ir....




Não seja tão fria a ponto de esquecer nossos momentos.
Os meus olhares indecisos e suas mãos inquietas.
Os muros da cidade tatuados de gozo e lágrimas,
Os cigarros ainda jogados no chão esperando por você.

A escadaria sombria ainda aguarda pela gente,
O cemitério angustiante pede para que volte...
Aquela cena roda por lá,
Posso ver você chorando com meu abraço.

O relógio marcou meia-noite, em seu colo me coloquei.
Aparelhos estranhos me fazem respirar...
Não seja tão fria a ponto de me fazer lembrar momentos.
Aparelhos e seu calor me fazem voltar à sala de operações...

Nossos momentos irão sumir se eu for embora?
Mas os aparelhos não podem me segurar aqui
Minha alma já quer emancipação...
- Amor não sinta minha falta...não sinta saudade..só sinta...Amor.
By Camila Passatuto

18 comentários:

Marcelo disse...

mas amanha eh outro dia, e podera vê-lo de novo

Henriquezoviske disse...

"Mas os aparelhos não podem me segurar aqui
Minha alma já quer emancipação..."

Achei isso tão bonito.


Algumas partes da poesia ficaram vagas para mim, mas essa parte realmente é linda demais.


E adorei a imagem de topo.
:)


Beijos.

Arthurius Maximus disse...

Um belo poema com um tema profundo e conturbadamente polêmico: A Eutanásia.

Achei tocante.

Cruela disse...

vou engrossar o coro.

muito bom

beijos

plyniolp disse...

"Mas os aparelhos não podem me segurar aqui
Minha alma já quer emancipação..."

Achei isso tão bonito.[2]

ovulou gataaa..
muito bom mesmu

Isabelle disse...

Adoro poemas e poesias!
Eu até escrevo e declamo poesias!
Sou bastante conhecida aqui como "A Poetisa"
Parabéns pelo seu blog!

Mano Guardanapo disse...

Parabéns pela poesia

Lya Flamel disse...

Poema bem brasileiro. "Não sinta a minha falta, sinta sauddades". Muita gente não entenderia essa parte, gente que não sabe o verdadeiro significado da palvra saudade.

Jeff... disse...

ah foto do blog ta tri legal, texto legalzinho... ^^

e sobre o teu comentario no meu blog, sim, td lugar sempre vai ter um dionisio =P

sauishaUIHSAuishaIUSHAiushUISHA

beijo

Jéssica Torres disse...

fiquei com sem palavras... dificil acontecer diante de uma poesia!
belas palavras!

dika disse...

"Não seja tão fria a ponto de esquecer nossos momentos" - isso me fez lembrar de alguém.
Você escreve muito bem, aliás, é mais que isso. Toca realmente. Não é aquele melodrama e nem é aquela coisa depressiva. No ponto.

ps: eu te add no orkut, e a única maneira de pedir pra você me add é por aqui rs Beijos.

[dika]
http://digaoquequiser.blogspot.com

MH disse...

Meu, eu acho um dom gente que sabe escrever poesia, talvez porque eu so escrevo bobagens, sempre curto vert uns textos tao bonitos. gostei.

Dragus disse...

Muito bonito o poema.

Deveria postar mais. =D

Karla Hack disse...

"Nossos momentos irão sumir se eu for embora?"

Lindo!!

:D

bjus

Verônica Martinelli disse...

Apenas amor!

me fez lembrar um filme...

beijos

Bella disse...

Nossa!Parabéns!Muito profunda!

Isabela disse...

Belo poema. Com um ar meio, digamos, sombrio e 'esquisito'. Algo diferente... Gostei.
Parabéns. =D



http://giiblog.wordpress.com/

Magazine ÓPe disse...

Legal!

Dá uma passada no meu blog.